Por que a Argentina está entre as 5 economias mais frágeis do mundo

Por que a Argentina está entre as 5 economias mais frágeis do mundo


Deixando de lado o caos da Venezuela, a Argentina tem hoje a economia mais frágil da América Latina. Segundo a agência Standard & Poors, ela está entre os 5 países com a economia mais
frágil do mundo. E é o segundo país da América Latina, depois da Venezuela, que gera menos confiança entre os investidores estrangeiros. Mas o que significa frágil? A fragilidade está baseada em variáveis muito técnicas, mas ela tem como termômetro justamente o nível de confiança dos investidores
estrangeiros, que são parte importante na engrenagem das economias emergentes da América Latina. Um dos sintomas da fragilidade da
Argentina é a desvalorização do Peso, que perdeu mais de 50% de seu valor em
relação ao Dólar só em 2018. Num contexto internacional mais restritivo,
as moedas de todas as economias emergentes sofreram desvalorização, é
verdade – aconteceu no Brasil, onde o Dólar passou dos R$4,10 e, má notícia, vai
continuar caro pelo menos até depois das eleições; no México, na Colômbia, no Chile…
Mas nenhuma perdeu tanto valor quanto a Argentina. Por isso, o presidente Maurício Macri resolveu pedir mais uma vez socorro ao FMI, de quem a Argentina não tem lá boas lembranças. Macri chegou a dizer: “Somos um dos países que mais dependem do financiamento externo.” Mas a vida dos hermanos nem sempre foi de crise. No começo do século 20, a Argentina era um dos países mais ricos do mundo. Seus habitantes eram ainda mais ricos que os alemães e os franceses. Mas, nas últimas quatro décadas, a economia tem oscilado entre modelos muito diferentes: um que protege a indústria e outro entregue aos mercados internacionais. O resultado da falta de um fio condutor mais claro aparece na forma de fortes
desvalorizações, hiperinflação, fuga de capitais e aumento da pobreza. A que se deve isso? Primeiro, ao contrário de países que têm políticas econômicas que sobrevivem às
trocas de governo, a Argentina muda radicalmente seu modelo de crescimento a
cada dez ou 15 anos. Um fecha o país, outro abre indiscriminadamente. Um impõe controles, outro desregulamenta tudo. Um proíbe as importações, o outro as fomenta. Com isso, os principais problemas da
economia – a desvalorização cambial e a inflação – tiveram bons e maus momentos,
mas nunca uma solução pelo menos de médio prazo. Segundo: os déficits. De um lado, a Argentina tem um déficit histórico em conta corrente. Grosso modo, isso quer dizer que ela gasta mais em bens e serviços no exterior do que recebe. Não entendeu? É o seguinte: isso quer
dizer, por exemplo, que a Argentina importa mais do que exporta e que os
turistas argentinos gastam mais no exterior do que os turistas de fora
gastam dentro do país. Foi assim em 30 dos últimos 40 anos. Esse déficit gera o que muitos chamam de restrição externa, ou seja, a falta de
dólares para financiar a economia. Essa é uma diferença importante em
relação ao Brasil: mesmo com a crise, a gente tem conseguido manter um déficit
em conta corrente pequeno, equilibrado, e tem uma reserva de dólares confortável
de 380 bilhões. É por isso que o nosso problema na
economia não chega a ser tão grave quanto ao do nosso vizinho: lá o
desequilíbrio é a regra e ele aparece na cotação da moeda, que sofre com períodos de forte oscilação. Como resultado, o Dólar acaba sendo a única referência de estabilidade e os preços de imóveis, carros e eletrodomésticos acabam sendo
cotados na moeda americana. É por isso que os argentinos guardam dólares e, se
um é pouco, tem ainda outro déficit que dá dor de cabeça à Argentina. Nesse caso é o do governo, que gasta mais do que arrecada. É o dinheiro que vai embora com o salário do funcionalismo, com assistência social ou para manter as engrenagens do Estado em funcionamento, que custa mais do que o que entra por meio de impostos. Soou familiar? Pois é, o Brasil sofre do
mesmo mal e vem registrando déficits consecutivos desde de 2014,
cada vez piores, e a gente está falando aí do que os economistas chamam de
déficit primário. Se a gente coloca na conta os juros que são pagos com a
dívida, o buraco é ainda mais fundo. O desequilíbrio das contas públicas e o medo que ele se transforme em
descontrole da dívida pública é considerado hoje o ponto mais frágil da
nossa economia, mas o caso da Argentina é ainda pior: em 107 dos últimos 117 anos, o país ficou no vermelho, uma das trajetórias mais antigas de déficit
fiscal. Impressionante, né? Existem três formas de
tapar esse buraco. 1. Imprimindo papel-moeda, com o risco de pressionar a inflação. A economia fica inundada de dinheiro e os preços, então, tendem a subir. 2. Aumentando a dívida, com risco de se chegar a uma situação limite, em que o país não possa pagar e tenha que decretar moratória, como a própria Argentina fez em 2001. E com o risco do país nas alturas, quem vai querer emprestar para a Argentina? Nos últimos meses, diante do aprofundamento da crise, o banco central
teve que elevar as taxas de juros, que chegaram aí a 60% já – situação muito
diferente da nossa. Nossa taxa Selic está aí por volta de 6,5%. Em países da Europa ou nos EUA, ela varia entre 1 ou 2%. Ou 3. Elevando impostos. Um problema é que a carga tributária na
Argentina já é uma das mais altas da região, empatada ali com quem? Com o Brasil,
que vive o mesmo impasse. Aqui, o próximo presidente vai ter que resolver essa
equação com direito ainda a teto de gastos, que limita a expansão das despesas à
inflação do ano anterior. O fato é que nos últimos 40 anos a
Argentina não conseguiu resolver os problemas da sua economia e segue sendo
frágil como uma casca de ovo. O Brasil vive uma situação melhor, mas
não dá para respirar com alívio: nossos problemas estruturais, a falta de
competitividade da indústria, a burocracia, a baixa produtividade continuam sem solução. Gostou desse vídeo? Então se inscreve no nosso canal que a BBC News Brasil está
produzindo cada vez mais conteúdo como esse para vocês.

Author:

100 thoughts on “Por que a Argentina está entre as 5 economias mais frágeis do mundo”

  • agnaldo ferreira says:

    compensa investir peso argentino pensando no futuro tipo hoje 1 real 10 pesos mais no futuro tipo 1 real 2 ou 3 oque você acha devo investir tô pensando investi 10 mil reais oque o senhor acha

  • BBC News Brasil says:

    Pessoal, não percam esta incrível animação feita para explicar a teoria da relatividade. Quer finalmente entender? Clique aqui: https://www.youtube.com/watch?v=fwzzgJOLZkM&t=74s

  • Pablo Roberto says:

    O VÍDEO foi ' upado' em 2018 . Então já tinha 1 ANO de " reformas" que mesmo c/ " ajuda " do banco mundial ( e aconteceu o previsto das 3 opções do vídeo, a dívida que devia ter sido atacada , a causa de tudo como AQUI, tornou-se impagável) . Sim, temos reservas cambiais de 383 bilhões de $ há anos , temos as estatais ( como a Eletrobras=14 bilhões em 2018) c/ lucros e por ISTO sendo vítimas da privataria ???!!? Temos 117 Bilhões de privatarias e cortes do Temer …sim , mas desde então temos também ' perdões ' como o 30 Bi dos bancos e afins (2017) entre outras até AGORA , pouco mais de 400Bi dos grandes devedores que será definitivamente esquecida c/ o fim da previdência e JÁ PAGAMOS ! ( Fevereiro) pelo DL de 28/02 408 Bi de JUROS / rolagem da dívida …lembrando que foi tirado 30% dos rrcursos da previdência "deficitária " (DRU) p/ isso [email protected]?!???? somados os cortes e privataria de Temer até agora , temos algo em torno 120 Bi… enfim, tudo junto , bem mais que os almejados 1 tri que banqueiro / agiota e especulador Guedes quer em 10 ANOS ?!?!

  • Rogerio Rosa De Freitas says:

    A crise Argentina já dura cerca de trinta anos quando o presidente menem implantou o neoliberalismo na década de 90 depois disso a Argentina nunca mais conseguiu se reerguer.

  • Essa porta de serhumano não aprende nunca vai viver a vida apanhando mesmo e porque todos já sabem que se você tem uma riqueza e ela e entregue a outro que. Vai ganhar e o outro e não nos dessa forma se encontra no Brasil se as estatais brasileiras forem 'vendidas' aos americanos eles e quem seriam os ricos e nós seremos pobres pois só e rico quem tem de onde tirar riquezas

  • Se a Argentina se focar em um forte comércio exterior constante em setores chaves de sua economia, alcançaria a estabilidade…

  • Erivanio Carvalho says:

    Seu discurso está muito liberal , a solução é corte de gastos públicos. Toda vez que há uma forte crise do capital as elites do atraso do Brasil retomam seus espaços no poder para escravizar os trabalhadores. A falta de competitividade da industria no Brasil se deve a falta de investimentos nos seus próprios negócios . Esses empresários que além de sonegarem os impostos ainda se apropriam do Estado para saquearem os fundos públicos. Não querem correr riscos. Impõe a privatização e assaltam o tesouro nacional colocando um governo lá em Brasília que possa facilitar essas operações. São parasitas que se alojam no governo para usurpar dos fundos públicos e cortar gastos sociais. Cadê suas críticas em relação a isso!!! Seu discurso é o mesmo da Rede Globo ou dos economistas que a rede Globo convida para explicar que a culpa é do povo.

  • Marcelo obão says:

    Só não estamos no FMI, como Los hermanos, graças aos bilhões de dólares em reservas internacionais deixados pelos governos do PT, que muitos dizem que quebraram o país.

  • Especuladores estrangeiros não investidores, que financiam seus representantes (agentes de mercado) para desmontar as instituições, quebrar o país e saquear as nossas riquezas, vide Pré-Sal, Embraer, Petrobrás e outros !!!

  • Lá como cá, quem sai no lucro sãoos brancos! Lamento q o Brasil vai no mesmo caminho. Lá como cá o governo é liberal.

  • Império Brazil says:

    O Argentino que pare de querer viver na grande Bueno Aires querendo ver futebol e ser sustentado pelo governo e vá para o interior do país para trabalhar assim a economia do país se recuperará!

  • Dadá Kopinski says:

    Porque será que o Bolsonaro quer tanto se ancorar e, um país tão frágil? Dias deste vi uma meteria da BBC supondo que o que estão fazendo do no Brasil, feito no Chile e outros paises da America do Sul. Nao dá pra entender está mídia que mais confunde do que esclarece.

  • A Argentina aplicou a receita que a BBC e todos os Golpistas querem para o Brasil. Fora Bolsonaro e todos os Golpistas!

  • Fabiana Castello Branco says:

    E o Bolsonaro dizendo que a economia Argentina está no caminho certo … Presidente Bozo burro !!!

  • Retno Lantika says:

    Ou seja, culpa do socialismo e todos sabemos. Nao eh da alternancia de poder nao, eh da burrice Argentina em acreditar nessa mentira.

  • Danilo Brandão says:

    Esse video corrobora o que o nosso presidente está tentando fazer. Mas tem umas antas que nao querem deixar. O fato é que estamos no caminho certo.

  • E “sonham” em juntar as moedas?!!

    Faz-me rir!

    Não sou investidor estrangeiro, e TBM não confio na Argentina e nem nos argentinos.

  • Quem ainda tem dúvidas sobre a importância das reformas brasileiras, basta assistirem este vídeo sobre a situação da argentina. Queremos o nosso Brasil ficar ainda mais no fundo do poço?!

  • Dicas Variadas says:

    já notaram que a culpa é sempre do dólar, tudo orquestrado para uma moeda única , pois se só tiver dólares ele ira desvalorizar que moeda se não haverá outra.

  • Paulo Juarez Disconzi Battaglin says:

    Sabem por que? Uma sucessão de governos esquerdistas, corruptos,ladrões, com alata tendência de culta á personalidade de governantes!!Quando nasci,década de 40,governava Juan Peron! A Argentina era poderosa e Rica! Depois, foi desabando lentamente e se aprofundando no comunismo , socialismo.etc …e acabou nesta merda! Se Macri não ganhar…não sei se sairá o corredor transoceânico…e aas relações com o Brasil vão esfriar! Cuidado!

  • Resumindo: Os Argentinos tão mais lascados que nós. Só não entendo como um país igual a Argentina que não produz um caroço de milho ainda tem dinheiro e o Brasil vive na corda bamba.

  • Anisio Oliveira says:

    Só faltou comentar que foi um país onde o socialismo foi colocado em prática muito antes do que no Brasil.

  • desvalorização cambial na Argentina, assim como no Brasil, é uma política de governo voltada ao agronegócio e a uns poucos industriais (campeôes nacionais)= fracasso econômico

  • O potencial econômico argentino é muito fechado para muitos mercados pelo mundo. O liberalismo de governos anteriores tornou o país instável com preços elevados e hiperrinflação. Vale lembrar que os argentinos já fizeram reforma da previdência, e atualmente, a população sofre ainda mais com essa estagnação econômica eterna!!

  • Frances Smith says:

    Ta errado este hanking !! E a Bolívia? eu jamais montaria qual quer coisa num país que despropia indústria privada

  • Antonio Francisco Corrêa says:

    A Argentina continua inviável. Qual realmente é o problema com o país? Situação em relação aos gastos do governo, populismo e socialismo lembram a situação do Brasil! Os gastos públicos consolidados do país chegaram a 47,9% do PIB em 2016, uma cifra claramente desproporcional. E, de acordo com o Ministério do Trabalho, em apenas duas províncias do país o funcionalismo público representa menos que 30% da população total empregada. Em sete províncias, a força de trabalho empregada no setor público é maior que a do setor privado (entre 51% e 69% da força de trabalho são funcionários públicos). No geral, em 65% das províncias, a fatia de funcionários públicos excede 40% da força de trabalho empregada.O Ministério do Trabalho estima que mais de 4 milhões de empregos são bancados por impostos, uma cifra que aumentou 60% desde 2002. Destes 4 milhões de funcionários públicos, pelo menos 300.000 foram indicados por critérios políticos pelo governo Kirchner e simplesmente nem sequer aparecem para trabalhar. O próprio Macri, ao tomar posse, anunciou aumentos para os aposentados e para os salários dos professores, e não fez nenhuma indicação de que privatizaria a Aerolíneas Argentinas, que foi estatizada pelos Kirchners, e que dá um prejuízo ao Tesouro argentino de 2 milhões de dólares por dia. Mas não é só o setor estatal o principal causador do problema. O governo também concede generosos subsídios ao setor privado. Consequentemente, a Argentina possui um modelo que aumentou desproporcionalmente a carga tributária sobre os setores mais produtivos para subsidiar os setores menos produtivos e também para pagar o enorme aumento ocorrido no funcionalismo público. Link da matéria: https://www.mises.org.br/Article.aspx?id=2887 +1 Like.

  • Marcelo Nascimento Santos says:

    BBB BBC canal da maçonaria Larga mão de ser hipócrita a gente sabe muito bem quem escraviza as ações são o Banco Mundial e o FMI raça de vagabundo cinza que tão fazendo a economia de cada país para que no momento oportuno você inventa uma conta da economia global raça de Víboras

  • Conhecer mais os argentinos e conhecer o nosso segundo maior parceiro econômico na América, nosso fornecedor número de.bons jogadores e praticar a boa freguesia com o nosso maior freguês. Viva a República do Rio da Prata. Kkkk

  • Ytallo O da Selva says:

    Kkk as primeiras falas são uma alfinetada num país cujo governo não os agrada, deixando em segundo plano a demonstração de como uma economia neoliberal não leva país a lugar algum.

    Típico de fazedores de opinião, triste.

  • Bom, esse é um dos grandes problemas da tal democracia, tão bajulada. Ela permite que um próximo governante surja em prazo X e que pode governar de modo totalmente diferente, mudando as políticas econômicas do país em tão pouco tempo e de modo tão radical. Isso não aconteceria em monarquias. A democracia é um sistema fadado ao fracasso exatamente por dar voz e vez até pra quem tem as piores ideologias. Afinal, são elas que norteiam as ações dos políticos.

  • Dedé ParanóLyca says:

    O e déficit do Governo que gasta mais pra se manter do que arrecada ( em impostos), dinheiro público que gasta com os Salários e aposentadorias do Funcionalismo Público, com Assistencialismo Social, com o funcionamento da Máquina do Estado , bem assim. Desde que mantenha o Estado em funcionamento..e o estado custa mais e gasta mais do que consegue arrecadar. Há não ser que fique tudo tão caro que o povo passe fome e nem consiga comprar mais nada.

  • Hangelluz eduardo Vilela says:

    O governo pode agradecer ao PT pela reserva de dólares, que um dia foi criticada duramente pela oposição e FMI.

  • Solange Carvalho says:

    Capitalismo financeiro = igual a:
    mortes por falta atendimento na Saúde; Educação onde se falta TUDO, má formação dos professores e pedagogos, salários de fome; estradas esburacadas; FALTA dos TRATAMENTOS nos ESGOTOS 80% Brasil afora; DESTRUIÇÕES das minas d'águas, soterramentos de pessoas e minas d'água, soterramentos de cursos d'água e MORTES nas BARRAGENS por FALTA de FISCALIZADORES; e por aí vai só mazelas em cima de mazelas. E os 🏦 bancos??? Banqueiros?? Vamos muito bem Obrigado!
    #sangriaDosSpreadsBancários
    #JurosExtorsivosEconfiscatórios
    #DéficitEstaNoBancoCentral
    #MentiraDaGlobo
    #AbaixoDesformaDaPrevidência
    #RefundarOBrasil
    #CadeiaAosVerdadeirosCorruptosItaúSantanderLadrões
    😭😭😭😭😭😭😭😭

  • Se você solta um pitbull em um berçário e ele come as criancinhas, quem teve a culpa? O cachorro ou quem devia ter poder sobre ele mas nada fez? O poder esta no voto, meus caros! Quem molda nosso futuro somos nós, não dar para plantar mandioca e colhe batata

  • Depois da prévia o ""Fernandez" futuro presidente da Argentina pediu o Lula livre….cara estes caras tem que passar fome mesmo! Tem que comer merda! Tem que se fu!!! Morra Argentina !!

  • O problema da Argentina e de qualquer país é a dependencia. Venezuela depende do Petroleo, por isso está assim. Argentina depende do Dólar, por que MENEM assim o fez. Ele dolarizou a Economia completamente em 2002 e aí, a desgraça da Argentina está aí. Quem não é dependente do dólar, está bem, que é o caso da China. Quanto mais 'investidor estrangeiro', pior é. A BBC é um desserviço. As Economias nacionais tem que se fortalecer e abandonar essa dependencia absurda de investimento estrangeiro, tem que ser autossustentáveis, e para isso, só tem uma solução. REVOLUÇÃO E SOCIALISMO.

  • Putz Camilla,vc é sinistra hein!!!
    intelecto nivel 12 purinho.

    explica tudo de maneira muito didática um assunto meio chatonildo pra muitos,q é economia.
    show de bola seu vídeo.
    ganhou um inscrito.

  • Andreza Cristina says:

    Neoliberalismo estar acabando com América-Latina. A Argentina foi o maior laboratório do liberalismo. Olha no que deu. Brasil seguiu o mesmo passo olha no que deu. Talvez lá 2048 veremos as consequências nefastas dessas políticas privacionistas, entreguistas e LIBERAIS. Salve-se quem puder!

  • Resumo da ópera nunca entregue seu país nas mãos de esquerdistas vide os exemplos de Cuba , Venezuela, Nicarágua , Uruguai e Brasil e isso e só na América do sul .

  • Será que ninguém percebe o viés de esquerda dessa BBC?
    è tão absurdamente claro..o uso de termos ou expressões como "ENTREGUE ao mercado internacional"..não seria INTEGRADO ao mercado internacional? A alemanha que tem mais de 70% de sua produção voltada pro comércio exterior seria classificada como ? vassala do mercado global????

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *